quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Frustração, medo e saudade

A Assembléia Legislativa lotou ontem à tarde para a leitura da mensagem do governador do Estado aos parlamentares. O clima, principalmente por parte da imprensa, era de expectativa sobre os atos de protesto de servidores públicos. Ainda mais com o conflito não-declarado - ou seria declarado? - entre o governo Luiz Henrique da Silveira e a Associação dos Praças de Santa Catarina (Aprasc).

Frustração é a palavra que descreve bem o sentimento entre os colegas de imprensa. Representantes dos praças fizeram um protesto silencioso com faixas até que discretas. nem de longe se pareceu com o dia da aprovação do Iprev, no ano passado. Sem isso, restou o discurso do governador.

Destacou os pontos positivos de 2008, obviamente contestados pela oposição. Mas a introdução do texto foi assustadora. O homem não mediu palavras para afirmar que vai ser um ano complicado em função da crise financeira e da catástrofe climática do fim do ano passado. A recessão já está em Santa Catarina e vai ser forte.

Não passou despercebido o equívoco de LHS ao citar o nome do seu vice, Leonel Pavan, cujo segundo nome foi dito como "Arcangelo", ao invés de "Arcanjo". Entre os parlamentares presentes no plenário, a hora do Hino Nacional só contou com as vozes dos tucanos Giancarlo Tomelin e José Natal. O restante da turma preferiu o silêncio.

Foi meu primeiro retorno oficial à Assembléia depois que, profissionalmente, deixei de ser repórter e me tornei assessor de comunicação. Bateu saudade forte! Lá é que as notícias acontecem. Não é no Executivo, estadual ou municipal, que estão as grandes pautas. Repórter que cobre Política tem que estar no Parlamento. Este foi um dos assuntos que debati com Clodoalvo Volpato, ex-colega dos tempos de A Notícia que também trocou a redação por uma assessoria. Além dele, revi o povo que ainda resiste bravamente está "no outro lado do balcão" e Natália Viana, também ex-A Notícia e agora cobrindo férias no Notícias do Dia.

3 comentários:

Alexandra disse...

Magoo, como é difícil ser profissional trabalhando como assessor de imprensa, não?
Vou te contar, é uma peleia constante. Mas tudo na vida tem o ônus e o bônus. Entre as vantagens que levamos estão os horários (um pouco) mais flexíveis e o salário melhor.
Abraços

Marcelo Santos disse...

Magoo,
se o ano vai ser tão complicado assim e ele tem a exata noção do que vai acontecer - como é de hábito em figura tão "iluminada" quanto o governador - que tal se ele começasse a reduzir despesas? Que tal se a tal descentralização passasse a funcionar de fato? Que tal reduzir gastos, por exemplo, com diárias? Se uma das ideias da descentralização era levar o governo pra mais perto do povo (isso é uma balela, mas tudo bem, é outra discussão), por que alguns amigos do rei precisam viajar pelo estado todo para implantar os programas? Não há representantes "por toda Santa Catarina"? Veja bem, não estou falando do secretário e assessores, apenas de cargos de terceiro escalão que vivem na estrada, ganhando só em diárias o triplo ou quádruplo do salário.

Marco Antonio Zanfra disse...

Pelo segundo parágrafo, deu para perceber: vocês querem é ver o circo pegar fogo!