domingo, 31 de agosto de 2008

Mais explicações para a audiência

O Zanfra reclamou sobre o segundo post abaixo. Tem razão. Inicialmente, este post havia sido colocado aqui há várias semanas. Como eu me precipitei e a matéria citada no texto não foi publicada, precisei retirar do blog. Com isso, dois comentários ficaram em suspenso, um do próprio Zanfra, e outro da candidata Angela Albino. Este, por sinal, na minha eterna falta de habilidade, acabei deletando, ao invés de aceitar. Sei que pedir desculpas não resolve muita coisa, mas...

Só pude, finalmente, colocar o texto aqui um mês depois e vários dias após a publicação da matéria. Novamente, meu velho camarada Zanfra tem razão. Só não sabe ele que minhas três últimas semanas foram um tour de force e tanto. Minha namorada veio me visitar e, ao chegar, pegou uma gripe "daquelas". Uma semana "no estaleiro". Quando ela melhorou, obviamente, foi minha vez de encarar a gripe com direito à várias noites de febre e tosse intensa. Em paralelo, minha mãe teve que se submeter à uma delicada cirurgia para extrair seu baço. Se levar em conta que eu ainda estava às voltas com a finalização de dois freelas, acho que fica explicado o "jet lag" deste blog.

Como não se trata de um blog jornalístico, me reservo o direito de não me preocupar tanto com sua atualização. E isso tudo já me faz pensar que tenho pelo menos mais uns dois posts que deveriam ter sido feitos há sete dias. Um deles sobre o excelente final de semana que eu e a Sil, a titular da pasta, passamos no Rio do Rastro Eco Resort. Coisa fina. O material fotográfico está no meu perfil no Orkut, mas quero registrar aqui também, até porque não pagamos para ficar lá. Então, nada mais justo do que uma propagandinha básica.

Porém, como ultimamente vivo às voltas com a falta de tempo, preciso correr para a "espetacular" e "deliciosa" rotina de quem depende do "excelente" transporte coletivo de Florianópolis aos domingos. Este é mais um post que será feito por aqui. Em breve.

Obs.: Sobre a cirurgia, foi tudo surpreendentemente bem. Minha progenitora vivia com apenas duas mil plaquetas. O mínimo para um ser humano viver com segurança é de 150 mil. Foram cinco anos de angústia e medo, pois ela simplesmente não podia sangrar. Depois deste tempo todo, finalmente um médico lembrou que o baço elimina plaquetas. Então, retirado o órgão, imediatamente a taxa dela passou para 80 mil plaquetas. Semana passada, no exame mais recente, já está em 300 e tantas mil.

Aproveito para, novamente, agradecer aos amigos que, gentilmente, foram até ao Hemosc doar sangue para repor a quantidade que minha mãe usaria na cirurgia. O melhor de tudo é que ela nem precisou de sangue. Então, além do problema dela ter sido resolvido, o Hemosc recebeu pelo menos mais seis litros. Material que pode salvar outras vidas.

2 comentários:

Marco Antonio Zanfra disse...

Que bom que no fim deu tudo certo: as plaquetas, a reserva de sangue do Hemosc, as gripes conjugais e a mordomia ecológica.

Silmara disse...

Alê....
Obrigada pela lembrança...e sim, foi uma correria e tanto...vc quase me mata de susto qdo ardia de febre:-( ainda bem q está melhor!
E parabéns pelo blog..mas a minha opinião ñ conta mtooo neh amore....rsrs