domingo, 11 de janeiro de 2009

Câncer devastador

Moacir Pereira bateu sem dó ou meias-palavras na situação do turismo em Florianópolis (e em Santa Catarina). Na sua coluna publicada hoje no Diário Catarinense, o colega destaca a ausência do poder público, o baixo nível de boa parte dos turistas que nos visitam e a falta de cidadania por parte de nós, moradores.

E o que mais dói é que trata-se de um processo longo, que ocorre há anos e só agora algumas poucas pessoas se dão conta. Ser uma "capital turística" é uma praga para Florianópolis. Há empresários locais que agem na má fé. Há moradores que odeiam os turistas e os exploram. Mas há turistas predatórios. Um reflexo da queda na educação da nação brasileira. Aqueles fulanos que vão para outras cidades, se acham donos do local, usam e abuso e apostam na impunidade, este monstro feroz, que cresce como um câncer devastador e incontrolável.

Isso só vai mudar a partir das próximas eleições, quando a população passar a escolher representantes decentes. Utopia de botequim, eu sei. Pois, será que o povo quer mudanças mesmo? Afinal, isso significa que cada um tem que mudar, para dar exemplo.

Um comentário:

transitoriamente disse...

O maioria do povo elegeu Dário Berger para mais 4 anos. O que esperar de um prefeito despreparado, dono de um discurso tão demagogo? Enquanto isso Florianópolis continua com seu Turismo amador, pessoas despreparadas para receber gente de fora, um trânsito caótico e um crescente nível de violência. Ou a gente faz ou a gente não reclama.
Um abraço, Antonio