quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Crise

Florianópolis, 08 de janeiro de 2009. Calçadão da Felipe Schmidt, 21h30. Cerca de 30 pessoas se instalaram com cadeiras plásticas na frente de uma grande loja de departamentos. Seriam malucos? fanáticos? desocupados? Que nada, são só clientes que aguardam a abertura das portas do estabelecimento, às 5h do dia seguinte para mais uma grande liquidação de início de ano.

Foto: Alessandro Bonassoli

Fila: Antes até de "quem cedo madruga"

É outra das liquidações que tomaram conta da capital catarinense nos últimos dias. O quê leva tanta gente a sair do conforto das suas casas para encarar uma fila, madrugada inteira, sob a intempérie, sob os riscos da violência de uma cidade como Florianópolis? Mero consumismo? Ou a crise econômica é tanta que o melhor é mesmo comprar em mega-liquidações?

3 comentários:

b disse...

Essa crise é lance armado prá encobrir coisas que vêm aí.
Muito mais sérias do que apertar o cinto.
Dinheiro e coisas do dinheiro são manipulação- sempre foram.
Qto à liquidação, tem gente que é viciada em liquidação, mesmo que nem precise muito do que vai comprar.
Obrigada.

Marco Antonio Zanfra disse...

Isso não é crise. O pessoal que ficava nas filas antes fica na fila agora. Isso tem um nome simples: vontade de comprar alguma coisa mais barato. E, havemos de convir: se você tem disposição de passar a noite no calçadão, disposição para enfrentar o empurra-empurra dentro da loja, disposição para disputar a tapa as melhores ofertas e disposição para carregar uma geladeira nos ombros, até que vale a pena...

Anônimo disse...

Não tem crise, Bonassoli. Acabei de voltar da Inglaterra, que tem a tradição dessas liquidações no dia após o natal, o 26 de dezembro, que eles chamam de Boxing Day. Só numa loja de Londres, foram 10 MIL pessoas.
Detalhe: lá as liquidações são MESMO de valer a pena. Descontos COMEÇAM em 70%. Meu cunhado comprou uma calça por 9 libras (equivalente a uns 27 ou 30 reais).
Saudades de você, velho!
beijo
Ludmila