segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Mesmice

Participei ontem do meu último debate na campanha de 2008. Outra vez, saí decepcionado. Dário Berger (PMDB) e Esperidião Amin (PP), de novo, simplesmente não responderam as perguntas feitas por mim e pelos demais colegas.

Os dois candidatos enrolaram, enrolaram, e nos deixaram ali parados, sem resposta. Como o formato do programa não permite réplicas ou tréplicas para os jornalistas, era impossível cobrar "mas o senhor não me respondeu". Ambos optaram por duas estratégias: ou desviar o assunto ou utilizar o espaço para rebater críticas do adversário.

Fotos: James Tavares/Notícias do Dia

Berger: Um desempenho melhor

O Carlos Damião fez um acompanhamento "minuto a minuto" do debate. Está bem próximo do que aconteceu. Recomendo uma visita no blog dele para conferir. Na minha opinião, finalmente o prefeito melhorou sua performance. Ainda está muito longe do ideal, mas ficou menos nervoso que em todas as oportunidades anteriores. Reagiu até que bem nas críticas de Amin, mas, infelizmente para ele, não conseguiu vencer o debate.


Bastidores: Candidatos recebem orientação de suas equipes

Amin, como habitualmente faz, foi muito bem. Raciocínio rápido, memória privilegiada, discurso afinado, uma retórica à beira da perfeição. Mas, lamentavelmente, ambos desperdiçaram outra preciosa oportunidade de apresentar idéias, propostas novas. Limitaram-se ao duelo particular de troca de agressões e a contar as propostas que todos já estão cansados de ouvir.


Memória: Amin manteve a performance habitual

Foi menos cansativo do que os debates do primeiro turno. Mas ainda tenho dúvidas se a fórmula deste tipo de discussão é mesmo positiva. Muito pouco se apresenta, as discussões não têm o nível ideal e o eleitor, invariavelmente, sai sem saber o que fazer na hora de votar.

Um comentário:

Joao Felipe disse...

Grande Bonassoli... estás só na política ou guardas um lugarzinho pro Desterro Rugby Clube em seu coração??? Abraços... João Felipe